Pais que possuem uma estreita relação com os seus filhos e são preocupados com o seu futuro, não deixam de se preocupar profundamente com sua vida escolar.

O rendimento do aluno na escola diz, em muitos casos, que tipo de pessoa ele se tornará no futuro e essa previsão abrange relações pessoais, profissionais, a atitude do aluno no trabalho, com relação ao lugar onde vive e etc.

Observar de perto a reação do seu filho diante de diversas situações da vida escolar permite que você o aconselhe e o acompanhe na tomada de melhores decisões.

Resultados como notas ruins e recuperações no meio e no fim do ano são sinais de que algo do importante conhecimento que o seu filho precisa adquirir está se perdendo entre ele e o professor.

O que os pais podem fazer para interferir de maneira benéfica e construtiva a esse respeito?

Dialogar é o Melhor Remédio!

mae-conversando-com-filho

Brigar e punir o seu filho são as piores medidas e devem evitar ser tomadas.

Esse tipo de reação é justificável e compreensiva apenas nos casos mais extremos.

Ele não precisa ver a escola como uma obrigação negativa, sendo punido a qualquer falha.

Os pais devem buscar um relacionamento tranquilo, porém firme, de compreensão mútua.

Uma vez que você conversa com o seu filho se mostrando aberto ao que ele tem a dizer, será muito mais fácil identificar o problema real que o faz sair mal na escola.

Converse, Identifique, Entenda e Se Coloque Em Seu Lugar

mae-conversando-com-filha

Ele pode estar passando por problemas que você desconhece e que na verdade são muito simples de se resolver.

Uma vez que você entende o que se passa, pode estabelecer, pacificamente, algumas metas de estudos em casa.

Chame-o para fazer um teste.

Faça ele raciocinar o quanto vale a pena se esforçar durante o ano e ficar livre para as férias.

Procure fazer pactos com ele – de preferência, sem recompensas materiais descabidas.

Veja alguns pontos que podem elucidar a questão:

Não Deixe Para Amanhã o Que Pode Ser Feito Hoje

Esse ditado se encaixa cada vez melhor com o nosso estilo de vida moderno.

O tempo é curto e devemos aproveitá-lo ao máximo.

Você vive essa realidade.

Mostre ao seu filho como ela se aplica às nossas vidas!

Mostre a ele o quanto é difícil correr atrás do prejuízo quando muita matéria perdida se acumula.

Você pode dar exemplos utilizando seu trabalho.

Isso estreitará os laços entre vocês e ele perceberá que você também não está com a vida ganha.

Conte a ele quando você ou alguém que conhece deixou tudo para depois e não conseguiu atingir os objetivos ou só o conseguiu com muita dificuldade.

Sugira um cronograma.

Pegue suas apostilas e livros e tente falar um pouco sobre o tempo necessário para aprender cada capítulo.

Faça ele pensar que, ficando de recuperação, terá que estudar em menos de um mês todo o conteúdo do ano! 

  • Vai funcionar?
  • Vai ser bom para ele?
  • Ele irá aprender?

Certamente ele será forçado a responder que não!

Ensine-o a Identificar As Falhas e Encarar os Próprios Erros

aluno-aplicado

Pegue provas e trabalhos nos quais ele se saiu mal – para isso você precisa estar por dentro de quando serão feitos – e sente com ele, sem cobranças.

Não faça terrorismo.

Apenas peça para ver a matéria, pergunte por que ele não soube responder as questões.

Descubra quais são as dificuldades dele.

Se ele disser que não prestou atenção, que não gosta do conteúdo, que dormiu nas aulas ou confessar outro tipo de comportamento ruim, seja paciente.

Neste momento sua atitude pode ajudar no amadurecimento dele.

Proponha que ele resolva novamente as questões que errou, seja com a sua ajuda, a ajuda do professor da disciplina, a ajuda de um amigo, o reforço na própria escola ou um professor particular.

Mas tente.

Isso desmistificará o medo dele de certos tipos de conteúdo e fará com que melhore o rendimento e pare de pensar que não é capaz.

Estudar Um Conteúdo Por Vez

Essa dica é importantíssima.

Esqueça essa história de seu filho fazer uma rotina de oito horas de estudos por dia.

Ele pode ser o aluno mais aplicado do mundo, mas isso só o desgastará e ainda poderá causar sérios problemas de autocobrança no futuro.

Se o seu filho adquire uma rotina de estudos de duas horas em casa durante o ensino fundamental, certamente não terá nenhuma dificuldade no vestibular, independente de qual.

Devagar e sempre! Não somos máquinas.

Não é possível absorver totalmente muitas coisas em apenas um dia. Portanto, sugira que ele estude um ou dois conteúdos por dia, ainda que seja de matérias diferentes.

Quando o aluno estuda e consegue fazer todos os exercícios, é natural que tenha uma sensação de bem estar que o abre para novos conteúdos.

Tirar Dúvidas

Incentive o seu filho a ser participativo.

Bata sempre na tecla de que todos temos dúvidas, não nascemos sabendo de nada.

Mesmo o aluno mais inteligente da classe fará perguntas ao professor e o questionará. Por isso, incentive-o a não deixar nenhuma dúvida passar. Isso poderá ser decisivo na hora das avaliações.

Pergunte a ele quais são suas dúvidas.

Se conseguir falar sobre o conteúdo que ele está aprendendo, melhor ainda!

Quando perceber que ele não sabe, peça para que pergunte ao professor.

Diga que você também está curioso para saber a resposta!

A Importância Das Revisões

aluna-exemplar

Revisar o conteúdo em casa é o mais eficiente exercício de fixação que existe.

Se o seu filho sabe fazer o que foi visto nas aulas sozinho em casa, ele saberá fazer a prova com facilidade.

Portanto, certifique-se que ele está revisando o conteúdo, anotando as dúvidas  e interessando-se em saber a resposta.

Procure observar se ele não está em busca apenas da resposta final!

Sempre que tiver algum conteúdo novo sendo passado, tente argumentar sobre ele, perguntar se aprendeu e observe se ele abriu os cadernos naquele dia.

Matéria nova precisa ter atenção especial!  

No fim do ano, ele será recompensado com uma aprovação tranquila!

Este texto é a segunda e última parte de uma pequena sequência de textos que escrevemos com foco em evitar as recuperações escolares.

Se você não leu o primeiro texto, clique aqui e leia para saber como evitar o “pesadelo” das recuperações escolares!