gostar-de-estudar

Apesar de a escola ser uma das coisas mais importantes da vida do ser humano moderno, assim como o trabalho, ambos passam a imagem de ser coisas chatas e difíceis de ser fazer.

Perceber essa tendência, de aliar estudo a sofrimento para entender porque as crianças não gostam de estudar e porque o fazem sentindo com tanta intensidade o peso da obrigação.

Embora algumas disciplinas sejam mais complicadas que as outras sempre há aquela com a qual toda criança ou adolescente se identifica e não é impossível que encontrem prazer em absorvê-la e até mesmo se aprofundar em conhecê-la melhor.

Fazer com que os filhos sintam prazer em estudar não é impossível.

Os pais podem ser grandes aliados dos professores nesta tarefa.

Porém, para realizar uma proeza como essas, é importante instigar e fazer com que desperte a curiosidade de suas mentes desde cedo, para que se sintam tentados a investigar o conhecimento mais de perto.

Assim, numa busca por desvendar diversos mistérios da vida, acabam por se interessar mais pelas aulas e ter um rendimento mais satisfatório, tanto na escola quanto na universidade e até mesmo em sua função profissional no futuro.

Você deve estar pensando:

  • Certo, falar é simples, mas como eu consigo fazer isso?
  • Como poderia despertar no meu filho, que odeia abrir os livros em casa, o interesse pela ciência, pela história, pelo conhecimento aprofundado do seu idioma nativo?

Em primeiro lugar, tire da cabeça que é algo complicado ou impossível.

Se você usar os métodos corretos e lidar de uma maneira leve com o seu filho, conhecendo-o melhor, será bastante simples descobrir onde está o foco de seu interesse e, então, tentar conectar este interesse ao conteúdo que deve aprender no colégio.

Acompanhe agora quatro recomendações simples que vão te ajudar nessa tarefa!

Preparados?

#1 – Defina Uma Rotina de Estudo

preparar-local-estudos

Com muita calma!

Não se trata de forçar o seu filho a se trancar no quarto com os livros e deixar ele por lá durante algumas horas.

Converse com ele e entre em um acordo a respeito da importância da escola e do fato de ser uma prioridade e da necessidade de ser tratada como tal.

A partir deste acordo você poderá fazer com que ele defina um cronograma de estudos e cumpra algumas tarefas.

Se você conseguir tirar alguns minutos do seu dia para acompanhá-lo, poderá conhecer melhor as suas dificuldades e interesses.

O conteúdo a ser estudado nesta rotina de estudos deve sempre girar em torno do que foi visto na escola.

#2 – Associe o Estudo Ao Lúdico

professoras-e-alunos

Essa tática funciona especialmente para as crianças.

Todo professor sabe que, para que o aluno se interesse pela disciplina que ele ministra, é essencial que se sinta próximo de seu conteúdo.

Por isso, é essencial que você encontre pontos em comum entre as disciplinas da escola e as coisas que ele vê no dia a dia sobre as quais apresenta curiosidade a respeito.

Para explicar um conteúdo aparentemente complicado, você pode fazer uma associação com uma história que ele conhece ou com alguma situação que presenciou.

Há até a possibilidade de colocá-lo como protagonista para que entenda alguns comportamentos históricos, explique alguns fenômenos da biologia ou até mesmo desvendar alguns desafios linguísticos.

#3 – Estimule o Senso Crítico

japinha-com-duvidas

Invariavelmente as pessoas gostam de dar a sua opinião diante de algum dilema.

Esta é uma das estratégias usadas por vários professores.

Perguntar o que alguém pensa a respeito de algo – nesse caso este “algo” deve ser definido de forma simplificada – sempre instiga a desenvolver algum tipo de pensamento a respeito.

Por exemplo, sempre que algum professor pergunta em classe, com o objetivo de gerar um debate, algo como “o que você pensa sobre a fome no Brasil?” obterá ao menos de meia dúzia de respostas, que instigarão mais outra meia dúzia de resposta que pensam o oposto a se manifestarem.

Por isso, estimular a pensar de forma crítica sempre é de grande ajuda para que alguém se interesse por qualquer tema, ainda que seja um tema sobre o qual os professores tratam na escola.

Quando se instiga o senso crítico, o conteúdo do assunto perde o caráter de “obrigação de saber” e se torna algo do qual é interessante participar, discutir e debater.

#4 – Estimule a Criatividade

Menina-brincando-com-tinta

Estimular a criatividade é um pouco mais difícil do que estimular o senso crítico, visto que as pessoas podem ser criativas de diferentes formas.

Para estimular a criatividade do seu filho é importante deixá-lo livre para se expressar das mais variadas maneiras, desde dar a ele brinquedos que busquem despertar o seu lado criativo quanto engrenar conversas que façam com que pensem de forma inovadora e diferente.

Essa questão possui diversas problemáticas.

Afinal, todos os pais aceitam que o seu filho pense de forma diferente?

Será que há tolerância neste sentido para que as crianças manifestem verdadeiramente o que se passa em suas mentes?

Para estimular a criatividade do seu filho é muito importante que você se mostre aberto para lidar com pensamentos que podem ser contrários àquilo que você acredita.

É a melhor maneira de você decidir a maneira correta de direcionar estes pensamentos, dando alimento ao processo criativo.

Há algumas disciplinas na escola que exigem criatividade, como português, redação, artes e outras.

Uma criança criativa geralmente é também curiosa e tende a fugir dos padrões preestabelecidos pela sociedade e acaba por se destacar, independente do meio no qual esteja inserida.

Por isso, permita que seu filho deixe sua criatividade fluir da maneira mais livre possível.

Reprimir as más tendências é importante para qualquer pessoa, mas isso não significa que você deva reprimir a tendência que seu filho possui de destoar daquilo que é comum e tradicional.

A criatividade é a melhor maneira de dar vazão aos pensamentos, sendo, por isso, uma benfeitora em até mesmo em âmbito psicológico!